Skip links

Mais que palavras: O que o jurídico pode aprender com Billie Eilish e Netflix sobre transmitir a mensagem certa

Por: Isabela Godoy

Advogados e equipes jurídicas estão constantemente se preocupando com a precisão das palavras usadas em cada documento que produzimos. Queremos ser claros e precisos na entrega de nossas comunicações, pois mal-entendidos podem levar a conflitos.

A preocupação com uma redação meticulosamente planejada e um texto perfeitamente inequívoco é muitas vezes reduzida à linguagem e à terminologia de cada documento. Talvez por falta de compreensão de que cada mensagem tem um transmissor de um lado e um receptor do outro, com um abismo no meio, ou talvez pelo conhecimento insuficiente de outros instrumentos e mecanismos que podem ser usados para preencher essa lacuna.

Vamos falar sobre a segunda hipótese e o que podemos aprender com outros que aperfeiçoaram a entrega de sua mensagem – seja ela jurídica ou não.

Da trilha sonora de Barbie, Billie Eilish e seu irmão Finneas ganharam o Oscar de 2024 de melhor canção original com a canção “What Was Made For?”. A peça musical não apenas recebeu essa honra, como também é um sucesso com mais de 600 mil visualizações apenas no Spotify.

A canção é inegavelmente bela, é claro. As letras são profundas e muito adequadas ao filme para o qual foram feitas. Mas a música não se reduz à redação das letras É – literalmente – uma composição de elementos que são reunidos e que somente quando reunidos têm o poder artístico de transmitir mensagens sentimentais.

No caso de Billie, uma grande parte dessa transmissão estava atrelada à interpretação vocal que ela precisava realizar para que a música tivesse a mensagem que ela queria. Vejamos o que ela e Finneas disseram em sua entrevista à Vanity Fair:

Billie: “Não é mesmo que seja agudo. É alto na minha faixa [vocal], mas não é sobre isso, é sobre a forma da entrega. Eu estava tentando fazer uma coisa muito específica com minha voz, que era esse falsete na faixa superior, muito suave, retraído, um falsete de alcance  agudo, enquanto que eu podia ter conseguido, podia ter cantado mais. Eu poderia ter cantado mais alto, eu poderia ter cantado mais para fora. Eu poderia ter cantado mais como um coral, tipo coral, [em voz alta e aguda] e, em vez disso, foi tipo [quase murmurando]. É realmente difícil. Tipo, honestamente, é muito difícil. É realmente difícil soar bem e estar enunciando as palavras corretamente e tendo…”

Finneas: …Me lembro que isso foi uma grande parte da [produção da] música: garantir que fosse inteligível.

Billie: “Eu queria que entendessem o que estava dizendo. Poderia ter literalmente feito “I used to float and now I [em uma voz projetada e alta]”, mas simplesmente não… Isso não é o que a música pedia. E eu poderia ter feito isso “I used to float [em uma voz alta e projetada no meio]”.

Há tantas maneiras que eu poderia ter cantado, mas nada disso funcionou na forma que queria essa entrega, como se estivesse com o coração partido – quase chorando e cantando –  e foi a escolha mais difícil de todas que eu poderia ter feito… “

Assim como Billie e Finneas, os advogados podem aproveitar outros recursos para superar o abismo de comunicação que existe entre remetente e receptor. Uma vez que terminamos de escolher as palavras e finalizamos nossa composição lírica, podemos recorrer a outras áreas de conhecimento para nos ajudar a definir o tom e encontrar a maneira certa de transmitir a mensagem.

Há algumas perguntas que podemos fazer quando o texto estiver pronto:

-Isso é para ser lido no papel ou devo procurar ajuda de TI e Design para desenvolver o documento para Web e App?

-O texto foi feito com perfeição, mas é curto o suficiente para que as pessoas não sejam apenas assinando sem ler?

-Eu sei que os advogados lerão facilmente este texto, mas eu poderia criar outros recursos visuais para ajudar as equipes de Finanças e Vendas a entender sua parte do contrato?

-Como posso relatar isso para o C-Level sempre apressado? 

Bem, talvez seja muita coisa para pensar… mas os advogados podem romper sua bolha jurídica usando palavras. Assim como podemos escolher um discurso formal ou informal, sério ou alegre, as palavras podem ser adaptadas para melhorar a mensagem  considerando questões de experiência do usuário sem precisar ir muito longe. Uma ótima lição sobre isso foi a notificação extrajudicial enviada pela Netflix a um bar temático de Stranger Things em 2017.

Danny e Doug,

Meu walkie talkie está quebrado, então tive que escrever esta nota. Ouvi dizer que vocês lançaram um bar temático de Stranger Things em sua localização em Logan Square. Olha, não quero que pensem que sou um total desmancha-prazeres, e adoro o quanto vocês gostam do programa. (Aguarde até ver a segunda temporada!) Mas a menos que eu esteja vivendo no Mundo Invertido, não acredito que fizemos um acordo com vocês para este pop-bar. Vocês são claramente criativos, então tenho certeza de que podem entender que é importante para nós ter uma palavra sobre como nossos fãs encontram os mundos que construímos.

Não vamos agir como o Dr. Brenner com vocês, mas pedimos que por favor (1) não estendam o bar temático além de sua duração de 6 semanas, terminando em setembro, e (2) entrem em contato conosco para pedir permissão se planejarem algo assim novamente. Me avisem o mais rápido possível se concordarem com esses pedidos.

Amamos nossos fãs mais do que tudo, mas vocês devem saber que o Demogorgon nem sempre é tão indulgente. Então, por favor, não nos façam chamar sua mãe.

Um documento jurídico mergulhado no universo da série mudou completamente a mensagem transmitida. De um sério e rígido “pare com o que está fazendo ou haverá consequências” para um divertido “Ei, isso não foi legal. Vamos permitir por um tempo, mas por favor não excedam esse prazo”.

Não é preciso dizer que a carta foi bem recebida pelos proprietários do bar, que ficaram satisfeitos com o contato da marca, tiveram sua temporada com o pop-up e nunca causaram outros problemas jurídicos.

Stranger Things foi e continuou sendo um sucesso depois disso. What was I made for ganhou o Oscar e os profissionais do direito podem seguir esse conselho sobre intenção em vez de palavras, assim como Extrem cantou em “More Than Words”.Quer dar o próximo passo para transformar suas comunicações jurídicas? Estamos aqui para te ajudar a dar os primeiros passos: entre em contato 🙂